sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Incêndio faz um morto em Tabuaço

Uma pessoa morreu e outra ficou desalojada esta sexta-feira na sequência de um incêndio numa habitação, no concelho de Tabuaço, informou fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viseu.
De acordo com a mesma fonte, o alerta para o incêndio numa habitação de Quintã, no concelho de Tabuaço, foi dado às 09h45.
“A casa ardeu totalmente, resultando um morto e uma desalojada. A vítima mortal é um homem de 48 anos e a desalojada é a sua mulher”, acrescentou.
A desalojada será acolhida na casa de uma filha.
No combate às chamas estiveram seis veículos e 18 homens dos Bombeiros Voluntários de Tabuaço.

Fonte: CM

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Quartel dos Voluntários de Viseu com acesso garantido



Os Bombeiros Voluntários de Viseu já receberam autorização por parte da Estradas de Portugal para avançarem com a construção de um acesso ao novo quartel, em Travassós de Baixo, a partir do antigo IP5
A poucos dias de terminar o ano de 2010 e no dia em que as obras de construção do futuro quartel dos Bombeiros Voluntários de Viseu foram dadas como terminadas - ontem chegaram as letras enormes que irão identificar o quartel - o presidente da direcção da Associação dos Bombeiros Voluntários de Viseu confirmou ao Diário de Viseu que a Estradas de Portugal acedeu ao pedido de o acesso às instalações ser feito a partir do antigo IP5. Paulo Correia mostrou-se muito satisfeito por, após diversas reuniões com a Estradas de Portugal e nas quais participou também a Câmara Municipal de Viseu, a instituição pública ter finalmente dado 'luz verde', colocando assim um ponto final a um diferendo que durava há vários meses e que colocava em risco a utilização do novo quartel. "O vice-presidente da Estradas de Portugal deu-me a sua palavra e as pessoas só têm uma palavra", sublinhou o presidente da direcção, que nos últimos três anos tem trabalho para tornar realidade aquele sonho antigo da corporação de contar com instalações modernas e com espaço para todas as viaturas. "Como nós temos de fazer a parada, poderemos fazer já tudo de uma vez, poupando assim algum dinheiro", adiantou, lembrando que basta rasgar o talude, que separa o antigo IP5 do quartel para avançar com a construção do acesso. No que diz respeito ao financiamento da obra do acesso, Paulo Correia espera que o Estado contribua, dando assim uma prenda à corporação que comemora o seu 125.º aniversário. "Não podem ser sempre os mesmos a pagar a conta. O quartel está a ser construído com fundos comunitários, resultantes de uma candidatura ao QREN feita pelos bombeiros, e verbas da Câmara Municipal de Viseu". Na opinião do responsável, o Estado poderia dessa forma reconhecer o trabalho desenvolvido ao longo de mais de um século em prol da população, recordando que os Voluntários também já ofereceram espaço para a instalação do Centro Nacional de Operações e Socorro alternativo e que assinaram um protocolo com o INEM para ficar com as ambulâncias de emergência que saíram dos Bombeiros Municipais de Viseu. De acordo com Paulo Correia, o acesso será muito idêntico aos das estações de serviço. "Haverá uma faixa de desaceleração e de aceleração. Sinais luminosos irão alertar os automobilistas para a saída de viaturas de emergência e uma cancela assegurará que o acesso só é usado por veículos dos bombeiros", explicou.


Fonte: Diário de Viseu

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

INEM entrega aparelhos de DAE a Bombeiros

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) vai integrar 30 Corpos de Bombeiros no seu Programa de Desfibrilhação Automática Externa.
Assim, o INEM vai disponibilizar 30 Desfibrilhadores Automáticos Externos (DAE) a outros tantos corpos de Bombeiros de todo o país, aos quais foi já dada formação para que a partir do próximo dia 1 de Janeiro possam passar a utilizar este tipo de equipamento nas ambulâncias do Instituto operadas por estas corporações.
O alargamento do Programa de DAE do INEM aos seus parceiros do Sistema Integrado de Emergência Médica (SIEM) é um passo importante para uma melhor assistência médica às vítimas de paragem cardio-respiratória e terá como reflexo a melhoria na qualidade do serviço prestado aos cidadãos. No futuro, o INEM pretende expandir a integração no seu programa de DAE a todas as entidades do SIEM que possuam um protocolo de Posto de Emergência Médica com o Instituto.
O Desfibrilhador Automático Externo é um dispositivo portátil que permite, através de eléctrodos colocados no tórax de uma vítima em paragem cardio-respiratória, analisar o ritmo cardíaco e recomendar ou não um choque eléctrico. O DAE regista som, electrocardiograma (ECG), fornece indicações aos reanimadores, analisa os dados e indica o choque ou não, segundo o algoritmo pré-definido.
Na cerimónia vão estar presentes o Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Manuel Pizarro, o Presidente do INEM, Miguel Soares de Oliveira, e o Presidente da Liga de Bombeiros Portugueses, Duarte Caldeira. A cerimónia de entrega dos DAE realiza-se no próximo dia 29 de Dezembro, quarta-feira, pelas 11 horas, no quartel dos Bombeiros Voluntários de Agualva-Cacém.

Fonte: http://www.inem.pt/

Site da Unidade Local de Formação de Izeda






A recente Unidade Local de Formação do Corpo de Bombeiros de Izeda já desenvolveu um site onde têm patentes informações constantes das turmas de formandos que por ali passaram.
As turmas dos Cursos de Incêndios Urbanos e Incêndios Florestais, permanecem assim na recordação, com uma foto por turma.
Esta é mais uma boa iniciativa dos Bombeiros de Izeda.
Para aceder a este site, pode faze-lo atraves do link: http://www.ulf-izeda.blogspot.com/

Fonte: http://www.cbbraganca.blogspot.com/

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Curto-circuito em presépio causa incêndio em igreja de Mogadouro




Um incêndio destruiu parcialmente a igreja da aldeia de S. Martinho do Peso, em Mogadouro.
No dia de Natal à noite, cerca das 22H, os sinos tocaram a rebate e a população juntou-se para combater as chamas.
O presidente da comissão fabriqueira explica que “uns rapazes íam para o café, viram o fumo e deram o alerta. Foram bater-me à porta, tocaram os sinos a rebate e as pessoas apareceram”.
“Primeiro abri a porta principal mas não conseguimos entrar porque o fumo era muito e depois demos a volta por trás pela porta da sacristia e lá conseguimos combater o incêndio com baldes de água” acrescenta. “Ainda chamámos os bombeiros mas quando chegaram já tínhamos a situação dominada”.
José Carlos Felgueiras suspeita que a origem das chamas terá estado num curto-circuito nas luzes do presépio.
“Puseram lá uma luzinhas para tornar o presépio mais bonito e com certeza houve algum curto-circuito que incendiou as cortiças que enfeitavam o presépio” afirma. “Junto ao presépio estava um altar, de maneira que quando demos conta estava a igreja cheia de fumo e o altar já estava a arder porque o presépio já tinha sido consumido pelas chamas”.
Os prejuízos ainda não estão contabilizados, mas certo é que algumas imagens ficaram complemente danificadas.
“Duas imagens arderam na totalidade e um dos altares está bastante danificado. As paredes da igreja e o forro está tudo negro, cheio de fumo. Vai ser preciso lavar tudo” descreve José Carlos Felgueiras. “Nós não podemos fazer contas aos prejuízos porque não temos aqui pessoas que saibam o trabalho que dá, mas estou convencido que vai para uns euros largos” estima o responsável.
A igreja tinha sido restaurada há oito anos.
Agora terá de ser sujeita a novos trabalhos de recuperação.

Fonte: Brigantia
Fotos: Miguel Cabral

domingo, 26 de dezembro de 2010

Consoada apenas de Madrugada

A consoada de duas dezenas dos Nossos Bombeiros, foi adiada para a Madrugada, devido a um incêndio num restaurante na localidade de Espinheira.
O combate ao fogo, que envolveu 4 veículos, teve inicio cerca das 19h.30, numa arrecadação de lenha junto aos fornos do restaurante e prolongou-se até perto da meia-noite, devido à quantidade de combústivel acumulado e acesso difícil à zona em combustão.
Ainda durante este período entre as 20h.00 e as 24h.00, os Bombeiros do piquete 6 Homens e 2 Mulheres, que voluntáriamente asseguraram o serviço durante toda a noite, foram chamados para duas ocorrências de emergência pré-hospitalar.
As famílias dos Bombeiros que combateram o incêndio é que tiveram de jantar sem a presença destas Mulheres e Homens que acorreram ao toque da sirene, não olhando à data nem à hora.
Para o Piquete de serviço, apesar do trabalho, a Ceia de Natal realizou-se já tarde, mas em confraternização com as familias que os quiseram acompanhar em mais uma noite de doação aos outros.
É assim a vida de Bombeiro voluntário e de multiplas actividades que não podem parar, para que muitos outros possam celebrar mais descansados estas épocas que vão marcando o nosso quotidiano.


Fonte: Noticias Bombeiros de Penacova 

sábado, 25 de dezembro de 2010

Mulher foi à ceia de Natal agradecer aos bombeiros que lhe salvaram a vida

Estavam reunidos os ingredientes para mais uma festa de Natal dos Bombeiros Voluntários de Penacova. Mas o convívio ganhou um sabor especial, quando uma senhora do concelho apareceu em pleno jantar para prestar, publicamente, a homenagem aos dois bombeiros que, tempos antes, a tinham socorrido.
«A D. Clara foi de surpresa à Ceia de Natal, com cerca de 400 pessoas, homenagear publicamente os bombeiros Filomena Simões e Roberto Miguel que, segundo ela, lhe salvaram a vida», refere o comando dos bombeiros, sublinhando as palavras de emoção da senhora, ao recordar os momentos de angústia por que passou quando foi acometida por uma doença súbita.
Mas sublinhou a rapidez e o profissionalismo dos bombeiros que fizeram, em seu entender, a diferença entre a vida e a morte, e mostrou o carinho que aprendeu a ter por todos os bombeiros.
Filomena e Roberto, os bombeiros nesse dia que lhe prestaram os cuidados de emergência pré-hospitalar e o transporte para o hospital, não esconderam a surpresa e fizeram questão de frisar que o seu auxílio seria o mesmo que qualquer outro bombeiro prestaria, pelo que decidiram partilhar a homenagem com todos os colegas.

Câmara e juntas disponíveis para apoiar

O comandante António Simões manifestou que este «genuíno e espontâneo» gesto de uma cidadã, que se associa a tantas outras formas de reconhecimento que chegam aos bombeiros por telefone ou por carta, «são o que de melhor se pode querer no exercício da mais nobre das actividades».
António Simões aproveitou para destacar o trabalho dos bombeiros de Portugal e do mundo e, em particular dos seus bombeiros, desde o mais pequeno executante da fanfarra, com oito anos, ao mais velho elemento do quadro de honra, com 78 anos.
«Todo este trabalho só é possível com o apoio e compreensão das famílias, para quem vai o maior, mais fraterno e mais solidário abraço do mundo». Estendeu o agradecimento aos Bombeiros de Miranda do Corvo que, neste dia de festa, asseguraram o serviço dos de Penacova.
O presidente da direcção, António Miranda, agradeceu os muitos contributos que chegam à corporação e que a ajudam a manter os seus serviços à comunidade, como a Câmara Municipal, as juntas, a empresa Água das Caldas de Penacova, entre outros tantos.
«Se não tivéssemos Bombeiros Voluntários, que são a estrutura da Protecção Civil Municipal, tínhamos de ter muitos profissionais, com um custo incomparavelmente maior», afirmou, por sua vez, o presidente da Câmara de Penacova, Humberto Oliveira, deixando a garantia de colaboração para as obras de ampliação do quartel e o apoio para a candidatura ao QREN para a aquisição de um veículo de desencarceramento pesado, que tanta falta faz à corporação, para dar resposta aos inúmeros acidentes rodoviários com viaturas pesadas no IP3 e IC6.
Apoio também manifestado por António Catela, presidente da Junta de Freguesia de S. Paio do Mondego, que, em representação das 11 freguesias do concelho, agradeceu o trabalho dos bombeiros e reiterou o apoio nas obras de ampliação do quartel e na construção da Casa-Escola.


Fonte: Diário de Coimbra




quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Chaves vai ter primeira Unidade Local de Formação de Bombeiros

Foi hoje assinado, no Governo Civil de Vila Real, um protocolo entre esta instituição, a Federação Distrital de Bombeiros de Vila Real e a Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários Flavienses, com vista à criação da primeira Unidade Local de Formação de Bombeiros do Distrito.
A Unidade Local de Formação (ULF) é um pólo de formação da Escola Nacional de Bombeiros, que dará a possibilidade aos voluntários dos corpos de bombeiros da região de efectuarem a sua formação no distrito, sem terem necessidade de se deslocar para outras zonas do país, como acontecia até aqui.
Esta ULF ficará instalada no quartel dos Bombeiros Voluntários Flavienses e terá o apoio financeiro do Governo Civil de Vila Real, na ordem dos 30 mil euros, e da Federação Distrital de Bombeiros de Vila Real, de cinco mil euros, no que diz respeito ao equipamento desta estrutura.
Procura-se, assim, fornecer aos bombeiros do Distrito uma ferramenta formativa que deverá levar a um incremento da sua capacidade de resposta e a uma maior eficácia dessa resposta a todos os desafios colocados ao nível da Protecção Civil, a bem de toda a população.

Fonte: Notícias de Vila Real

Ceia de Natal







Decorreu esta Quarta-Feira, nas instalações dos B. V. Torre de Dona Chama, a tradicional ceia de Natal entre bombeiros e directores. Estiveram também presentes alguns familiares dos bombeiros e directores, o que fez com que esta ceia fosse feita em familia. Durante a ceia, tomou a palavra o Comandante e o Presidente dos bombeiros. O Comandante referiu que ficou muito contente com a adesão dos bombeiros e que esta foi a primeira ceia enquanto Comandante. Aproveitou ainda para mostrar aos bombeiros algum material recentemente adquirido, tal como, uma máquina de fazer fumo, uma moto-roçadora, uma mochila para moto-serras, uma mochila para mangueiras, um manequim para treino de SBV, dois rádios portáteis, uma moto-bomba de grande caudal e uma maca de resgate. Já o Presidente referiu que ficou satisfeito por ver os bombeiros e directores reunidos nesta ceia de Natal e ao mesmo tempo fez um balanço positivo do trabalho desenvolvido ao longo destes dois anos. De salientar a instalação da rede informática no edifício, a viatura VOPE - 03, cerca de 40.000 euros investidos em equipamento operacional, compra de mobiliário no valor de 16.000 euros e o ponto alto dos dois anos ficou marcado com a inauguração do quartel. Ficou a promessa que 2011 será para adquirir um novo programa informático e uma nova viatura do tipo ABSC.

Fotos: Pedro Santos

  

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Sem autorização para dormir

As camaratas dos Bombeiros de Penafiel estão reservadas, apenas, a voluntários que trabalham de noite. Os outros bombeiros, contratados pela Associação, estão impedidos de dormir durante a madrugada. "É uma questão de bom senso. Quem descansa de dia para trabalhar à noite, sendo pago por isso, tem de estar preparado", avisa o comandante.
Ainda no passado sábado, durante a festa natalícia da corporação, o comandante António Rodrigues (Paulino) mostrou as novas camaratas (masculinas e femininas) onde os voluntários podem descansar em noites de serviço.

Estalou a polémica

Mas rapidamente estalou a polémica, sobretudo entre motoristas e outros funcionários.
Porque estes estão impedidos de usar as camaratas, ou de dormitarem dentro das viaturas. "Há motoristas que descansam sentados em cadeiras. Isso não tem jeito nenhum", disse um voluntário ao JN.
"As camaratas são destinadas aos bombeiros voluntários que trabalham noutros locais durante o dia e dedicam a noite ao voluntariado.
Os outros bombeiros, que são pagos para trabalhar à noite e são funcionários da instituição, devem descansar durante o dia", avisa o comandante dos Bombeiros de Penafiel.

Confusão com prémio

Além deste caso, o comandante é acusado de ter atribuído o título "Bombeiro do Ano" a um voluntário, durante a festa natalícia, e depois retirá-lo para entregar a outro. António Paulino desmente. "As pessoas ouvem mal. Eu atribuí esse título ao bombeiro 150, o senhor José Mário Costa, que prestou, sem regatear, um relevante serviço aos Bombeiros de Penafiel, durante o ano.
Só que algumas pessoas perceberam mal e pensaram que chamei o bombeiro 50, o subchefe Júlio Soares. Se em vez de estarem na brincadeira, estivessem atentas, este tipo de erros não aconteciam", sublinhou. "Não sei onde está a imagem dos bombeiros quando motoristas e maqueiros têm de passar a noite sentados numa cadeira. Pouco falta para que fiquem de pé a noite toda", desabafou um outro voluntário.



Fonte: JN

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Já foi distribuído material de combate a fogos pelos bombeiros do distrito de Bragança




Já foram entregues os equipamentos de combate a incêndios aos bombeiros do distrito de Bragança. A candidatura a fundos do QREN permitiu adquirir equipamentos para as 15 associações, num valor que ultrapassa os 430 mil euros.
João Venceslau, comandante dos bombeiros voluntários de Macedo de Cavaleiros, acredita que os soldados da paz vão poder agora prestar melhor socorro à população.
“Em primeiro lugar, vai fazer com que os nossos bombeiros tenham equipamento adequado à intervenção. Vai aumentar o nível de segurança do utilizador e vai cobrir todas as áreas de intervenção de emergência. Incêndios estruturais, acidentes e, acima de tudo, incêndios urbanos, para que os nossos homens, de forma mais eficaz, consigam estar à vontade em determinado tipo de situações em que até agora estariam com risco da própria vida”, explica.
A candidatura esteve a cargo da Federação de Bombeiros do Distrito de Bragança. Humberto Martins, o presidente, admite que ainda há material em falta para os bombeiros do distrito.
“Há muita coisa que está em falta. Isto é material que se utiliza diariamente e tem desgaste”, notou.A cerimónia de entrega de equipamentos decorreu no último sábado, em Bragança. Uma cerimónia que serviu também para homenagear o Governador Civil do distrito de Bragança.
Jorge Gomes foi agraciado com uma medalha de mérito grau ouro, pelo apoio que tem dado às corporações do distrito.
Uma distinção que apanhou o próprio desprevenido.“Informaram-me agora que ia ser homenageado. E uma surpresa total para mim”, sublinhou. “Embora sinta com muita alma o viver dos bombeiros e faça tudo por eles, quero ver os fundamentos que levaram a isto. Estou grato e reconhecido”, disse.Também Luis Adelino Batista, colaborador da Federação, foi agraciado, recebendo a medalha de mérito grau prata.
 Lista de equipamento: 143 capacetes urbanos, 120 camisas, 84 fatos nomex, 151 pares de luvas de combate a incêndio urbano, 277 botas fogos urbanos, 149 capacetes fogos florestais, 178 fatos de protecção em incêndios florestais, 57 APS, 4 fatos protecção química, 11 aparelhos respiratórios com cilindro em aço, 35 aparelhos respiratórios com cilindro em carbono.


Fonte: Brigantia

Bombeiros de Torre de Dona Chama

Para completar esta notícia, resta dizer que aos Bombeiros de Torre de Dona Chama foram entregues 5 ARICAS com cilindro em carbono e duas com cilindro em aço, 20 pares de botas para fogos urbanos, 21 cógulas para fogos urbanos, 20 pares de luvas para fogos urbanos e 6 capacetes para fogos florestais.
A administração deste blog esteve à conversa com Rui Fontoura, comandante dos bombeiros da Torre, que nos disse que "este material veio enriquecer os bombeiros, pois apenas existiam 3 ARICAS e agora já temos 10, o que neste momento já é bom". Acrescentou, ainda, que "botas para fogos urbanos, não tinhamos nenhumas, enquanto que capacetes florestais, neste momento já posso dar um a cada bombeiro".

domingo, 19 de dezembro de 2010

GIPS defende terceiro helicóptero de combate a incêndios

Falta mais um helicóptero de combate aos incêndios no distrito de Bragança.


Actualmente há dois, um estacionado na Serra da Nogueira, em Bragança, e outro no Serra de Bornes, em Alfândega da Fé, mas a parte sul do distrito está longe do raio de acção dos aparelhos, sobretudo o Parque Natural do Douro Internacional.
A constatação é feita pelo comandante distrital do Grupos de Intervenção, Protecção e Socorro da GNR (GIPS).
“O ideal seria haver mais um helicóptero para uma triangulação no distrito. Quantos mais meios aéreos tivermos melhor, mas sido eficazes com os dois que temos” refere Jorge Barbosa, adiantando que a situação “está a ser estudada entre a GNR e a Autoridade Nacional de Protecção Civil. Vamos ver se se justifica ou não”.
Mesmo assim, Jorge Barbosa, garante que a distancia ao parque do Douro Internacional não é caso para alarme. “Realmente fica fora do raio do helicóptero, mas apesar de estar longe, no máximo em 15 minutos conseguimos estar no local, o que nos permite uma intervenção eficaz” garante o responsável.
Apesar disso, decorrem já negociações com a Autoridade Nacional de Protecção Civil para tentar colocar mais um helicóptero de combate a incêndios no distrito de Bragança no próximo Verão.


Fonte: Brigantia

Bombeiros de Barcelinhos com duas novas ambulâncias

Os números extraídos no sorteio do Citroen C1, foram os seguintes:Número efectivo: 32 267Primeiro suplente: 29 519Segundo suplente: 51 078.

As duas viaturas colocadas ao serviço custaram cerca de 110 mil euros. Foram adquiridas devido a uma iniciativa levada a cabo pelo comando e corpo activo da corporação num espaço de três meses e nas freguesias da sua área operacional.
José Arlindo Costa, novo presidente da Direcção, apontou como grande objectivo para o próximo mandato a realização de uma campanha da angariação de sócios, "que vá bater à porta de todos os fogos das 89 freguesias do concelho".
José Costa referiu ainda que vão continuar a reivindicar o terreno há tanto tempo prometido para a construção do novo quartel
Os Bombeiros de Barcelinhos realizaram o sorteio de um Citroen C1 numa cerimónia que se realizou no passado domingo, e que foi auditada por um representante do Governo Civil.

Os números extraídos por várias crianças foram os seguintes:

Número efectivo: 32 267

primeiro suplente: 29519

segundo suplente: 51078.

O vencedor tem 30 dias para reclamar o prémio, o 1º suplente os oito dias seguintes.


Fonte: Rádio Cávado 

sábado, 18 de dezembro de 2010

Santa Marinha do Zêzere junta crianças nascidas em ambulâncias

Os Bombeiros Voluntários de Santa Marinha do Zêzere, em Baião, vão reunir no sábado, numa festa,
as dez crianças que nasceram nas suas ambulâncias nos últimos seis anos, com os pais e as equipas que assistiram o parto.
A ideia, contou à agência Lusa o segundo comandante, Márcio Vil, dos Bombeiros Voluntários de Santa Marinha do Zêzere, foi "aproveitar a tradicional festa de Natal para assinalar um acontecimento que é cada vez mais recorrente".
O hospital mais perto do quartel fica a 60 quilómetros de distância, em Penafiel. É longe, a estrada é sinuosa e há, por isso, cada vez mais as crianças que acabam por nascer ainda a caminho, com a ajuda dos bombeiros.


Fonte: Agência Lusa

Acidente com tractor provocou dois mortos e um ferido grave

O despiste de um tractor agrícola ocorrido hoje, sexta-feira, em Cótimos, concelho de Trancoso, distrito da Guarda, provocou a morte a duas mulheres e ferimentos graves numa terceira.
Segundo Luís Vaz, comandante dos Bombeiros Voluntários de Trancoso, o acidente ocorreu pelas 12.48 horas e as vítimas têm idades compreendidas entre os 55 e os 60 anos.
"Foi o despiste de um tractor agrícola, onde seguiam três pessoas", contou o comandante, acrescentando que para além da condutora, viajavam duas mulheres "na caixa" do veículo.
Luís Vaz contou que após o despiste, o tractor "capotou, provocando duas vítimas mortais e um ferido grave".
Referiu que "ainda foi tentado fazer o suporte de vida" mas não foi possível salvar as duas mulheres que acabaram por falecer no local.
Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) da Guarda disse à Lusa que acorreram ao local do acidente, registado o campo, cerca de 25 elementos dos bombeiros voluntários de Trancoso e de Vila Franca das Naves, do INEM e da GNR.


Fonte: JN


sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Ruas não se opõe a 'mudança' do CNOS mas mostra-se desconfiado

O presidente do município não está contra a instalação do Centro Nacional de Operações de Socorro no quartel dos Bombeiros Voluntários, mas não acredita que a obra avance.
O presidente da Câmara Municipal de Viseu, Fernando Ruas, não se opõe à possibilidade de o Centro Nacional de Operações de Socorro (CNOS) alternativo não ser construído no Aeródromo Municipal, como estava inicialmente previsto, mas ficar situado nas futuras instalações dos Bombeiros Voluntários de Viseu, no entanto, mostra-se céptico quanto às intenções do Ministério da Administração Interna.
Confrontado pelos jornalistas com os encontros que já houve entre a direcção da corporação e o secretário de Estado da Administração Interna, o autarca mostrou-se pouco satisfeito com o facto de saber "através de terceiros" dessas reuniões, lembrando que o município é parte interessada na matéria, já que assinou um protocolo com o Estado que prevê a construção do CNOS no Aeródromo Municipal Gonçalves Lobato.
"Têm de me dar explicações sobre a eventual mudança", exigiu Fernando Ruas, que não acredita nessa possibilidade.
"Tenho a certeza que a hipótese foi levantada apenas para continuar a arrastar este assunto", sublinhou o edil, acrescentando que, contando com o actual secretário de Estado da Administração Interna, são já seis os membros de Governo com os quais a Câmara falará sobre o assunto.
"Trata-se de mais um balão de oxigénio vindo de Lisboa, que tem com objectivo manter- -nos entretidos, enquanto o Governo não avança com o projecto", finalizou.

Projecto com quase sete anos

Já lá vão quase sete anos desde que, em Janeiro de 2004, o então ministro da Administração Interna, o viseense Figueiredo Lopes, anunciou que Viseu tinha sido a cidade escolhida para receber o CNOS alternativo, que funcionaria num terreno de quatro mil metros quadrados, situado no Aeródromo Municipal, cedido, através de um protocolo, pelo município de Viseu.
Seguiram-se várias visitas ao terreno, mas o projecto nunca chegou a sair do papel, apesar de, há poucos anos, o então secretário de Estado da Administração Interna, Ascenso Simões, anunciou que o concurso para a construção do CNOS, que funcionaria em caso de catástrofe em Lisboa, seria brevemente lançado. Até hoje.


Fonte: Diário de Viseu

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

SEPC considera absurda proposta de lei para extinguir COM


O secretário de Estado da Proteção Civil, Vasco Franco, opôs-se hoje à proposta legislativa do PCP que sugere a extinção dos comandantes municipais operacionais, considerando-a 'absurda' e de quem 'não conhece o terreno'.
À margem da apresentação do Sistema Nacional de Informação de Planeamento de Emergência (SIPE), Vasco Franco lembrou e criticou o projeto-lei de julho, lançado pelo PCP, que propõe extinguir o cargo de comandante operacional municipal no âmbito dos serviços municipais de Proteção Civil e que considera que a figura é 'uma intromissão indesejável na esfera da autonomia própria do poder local democrático', lê-se na proposta.
Em declarações à agência Lusa no final da apresentação do sistema, o secretário de Estado disse que 'só quem não conhece a realidade do terreno é que pode fazer uma proposta desta natureza, porque o argumento é dizer que estes comandantes se sobrepõem aos presidentes de Câmara, o que é completamente absurdo'.
'Basta perguntar às dezenas de presidentes de Câmara que têm comandantes operacionais, que são nomeados pelos próprios autarcas, e ver se querem perder essa valência', disse, acrescentando que 'espera que não vingue esta proposta'.
Para Vasco Franco o tornado que na semana passada afetou os concelhos de Tomar, Sertã e Ferreira do Zêzere levou a um 'trabalho exemplar feito sob a direção do presidente da Câmara deste último concelho mas executado sob o comando do comandante municipal operacional'.
'Isto mostra uma vez mais que há toda a vantagem em existir um operacional que, sob o comando do presidente da Câmara, lidera as operações do terreno', considerou.
Além disso, o secretário de Estado lembrou que a função do comandante 'não é feita pelo presidente da Câmara'.
'Da mesma maneira que não sou eu, como secretário de Estado que vou executar a parte operacional, ou os Governadores Civis que vão executar a parte que compete aos comandantes distritais de socorro', afirmou.
'Não há que confundir o plano político com o plano operacional e essa confusão é lamentável', rematou.


Fonte: Agência Lusa

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Planos de emergência do país acessíveis online para toda a população

Quase 40 planos de emergência de todo o país estão a partir de hoje disponíveis online para as autoridades de protecção civil e para a população em geral, que poderá conhecer as diferentes fases de resposta em situação de risco.
O Sistema Nacional de Planeamento de Emergência (SIPE) é uma plataforma informática onde estão alojados todos os planos de emergência de segunda geração nos diferentes níveis territoriais e que ficam acessíveis ao público nas suas componentes não reservadas, quer mediante password a utilizadores credenciados, ou seja, autoridades de protecção civil, explicou à Lusa o director da unidade de planeamento da Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC), Carlos Mendes.
A partir de hoje, qualquer cidadão poderá aceder (em http://planos.prociv.pt) a quase 40 planos de emergência, principalmente municipais, mas também de nível distrital e ainda supra distritais, como o Plano de Risco Sísmico da Área Metropolitana de Lisboa, que abrange mais do que um distrito (Lisboa e Setúbal).
É uma base de dados na medida em que permite a consulta rápida desses planos. Estarão disponíveis todos os planos de emergência de segunda geração à medida que foram aprovados. Nesta altura contamos com 39 planos, a totalidade dos que já foram aprovados, avançou Carlos Mendes.

Possibilidade de comparações vem estimular a exigência

Consultando aquele site, qualquer cidadão consegue perceber quais são os critérios que levam à activação do plano de emergência, que entidades podem intervir na resposta e ter a noção exacta dos meios que estão em curso para assegurar a coordenação das diferentes áreas, como a logística, a assistência médica ou a relação com o público, descreveu ainda o director. Qualquer pessoa pode ainda compreender como é que será informada e que conduta deverá adoptar numa situação de risco.
Esta possibilidade permite a compreensão do próprio papel que o cidadão tem para se proteger a ele, à sua família e aos seus colegas e vizinhos, o que é muito importante, afirmou o secretário de Estado da Protecção Civil, Vasco Franco.
O secretário de Estado salientou ainda que a disponibilidade dos planos para todos e em qualquer local aumenta o grau de exigência: A possibilidade de comparações vem estimular a exigência.
O acesso à mesma página do SIPE pode ser feito igualmente através do site da ANPC (http://www.proteccaocivil.pt/)


Fonte: Público

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Gala fantasma para elites dos bombeiros do distrito da Guarda!

 
A Direcção da Associação Amigos BombeirosDistritoGuarda.com, tomando conhecimento pelos órgãos de comunicação social regionais da realização da I Gala do Bombeiro do Distrito da Guarda, organizada pela Federação Distrital dos Bombeiros da Guarda, deliberou fazer o seguinte comunicado:

1. Felicitamos os organizadores da I Gala do Bombeiro do Distrito da Guarda pela realização de um evento que consideramos enriquecedor e justíssimo para todos aqueles que ao longo do ano têm colocado, acima da família e dos empregos, a causa dos bombeiros e o serviço voluntário da comunidade;
2. Felicitamos os organizadores pela justa homenagem a todas as entidades que mereceram distinção nesta I Gala;

3. Consideramos, no entanto, que, tendo como principal intuito a homenagem a bombeiros, a autarquias e a outras entidades da região, os convites não deveriam ter sido apenas direccionados aos Presidentes das Direcções das Associações Humanitárias e aos elementos do Comandos;

4. Consideramos que, dada a relevância da homenagem, os elementos do quadro activo e demais elementos das corporações deveriam ter sido convidados;

5. Pensamos que a não existência de uma participação plena de todos os homens e mulheres não contribui em nada para a boa harmonia e união dos bombeiros do distrito, criando ainda uma barreira maior entre os bombeiros, Direcções e comandos, e criando a ideia de existirem bombeiros de primeira e bombeiros de segunda;

6. Temos a certeza de que a Federação dos Bombeiros do Distrito da Guarda não pensa que existe esta diferenciação entre bombeiros;

7. Pensamos que este “esquecimento” por parte dos organizadores carece de um esclarecimento público que vise desanuviar o incómodo provocado nos homens e mulheres das corporações;

8. Temos consciência dos inúmeros problemas que atingem os corpos de bombeiros do Distrito e estamos preparados para ajudar as entidades competentes na sua correcta resolução, caso sejamos solicitados para esse fim;

9. Sabemos que muitos dos problemas existentes nas corporações vêm de situações idênticas a este que aqui referimos, ou seja, de um claro afastamento entre os diversos elementos das corporações fruto de uma atitude de superioridade em momentos que visam a discussão aberta de assuntos que interessam a todos;

10. Pensamos que o afastamento dos jovens das corporações de bombeiros tem como principal motivo o excesso de autoritarismo, da parte do quadro de comando, e de secretismo, por parte das Direcções, não permitindo aos jovens uma participação plena na construção de melhores corporações e associações;

11. Estaremos em perfeita harmonia com todas as entidades distritais no momento em que estas diferenciações dentro das corporações deixarem de existir e em que o diálogo seja sincero e completamente aberto;

12. Não pretendemos a crítica negativa nem a cisão entre entidades, pretendemos apenas um diálogo positivo que sabemos que todas as entidades são capazes de manter, assim o queiram.

Esperamos, com este comunicado, ajudar a criar um espírito de colaboração e de abertura na melhoria das relações entre entidades, sabendo que só com uma atitude atenta e dialogante podemos ser todos melhores.


Distrito da Guarda, 12 de Dezembro de 2010


Fonte: bombeiros.pt

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Dumper despista-se nas obras do Túnel do Marão


O motorista de um camião de grande carga com tracção a seis rodas ficou ferido, ontem de madrugada, após se despistar e cair por uma encosta à saída da boca nascente do Túnel do Marão, em Vila Real.
Oficialmente ainda não há causas para o acidente, mas segundo os Bombeiros Voluntários da Cruz Branca de Vila Real poderá ter havido distracção do condutor ou cedência do solo, pois trata-se de uma zona de orografia difícil.
Certo é que o camião, mais conhecido por dumper e que regressava ao túnel após ter ido fazer uma descarga de entulho, caiu por uma ribanceira, parando a cerca de 60 metros da saída do túnel num pilar do viaduto que ali vai ser construído para dar sequência à Auto-estrada do Marão.
Pelo caminho deixou a cabina e o motorista no seu interior, encarcerado pelo metal e por grande quantidade de terra e pedras que para lá entraram durante a descida.
Por causa disso, o socorro foi mais demorado.
Uma vez içado para o local onde estava localizada a plataforma de socorro, o motorista de 53 anos foi transportado pela VMER para a unidade de Vila Real do Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro para tratamentos e exames.

Fonte: Brigantia

Obras para ampliar quartel de bombeiros podem arrancar em 2011

O quartel dos bombeiros voluntários de Miranda do Douro deverá ser ampliado já no próximo ano.
Uma revelação feita ontem, no dia em que a corporação comemorou 50 anos de existência.
Há muito que as obras são reivindicadas pela direcção da Associação Humanitária pois entende que é urgente construir um novo espaço para as viaturas.
O presidente da associação lembra que já existe um protocolo com o Ministério da Administração Interna, mas que nunca foi cumprido.
“As obras são necessárias e urgentes” afirma Ulisses Firmino, acrescentando que “já temos bastantes negociações a nível ministerial para obras mas têm sido sucessivamente adiadas pois a atribuição de verbas é da competência do Governo”.
“Temos um protocolo com o Ministério da Administração Interna na ordem dos 500 mil euros para obras de ampliação porque há viaturas a dormir na rua e os carros deterioram-se” explica. “Nós já fizemos três projectos de ampliação, mas tem sido sucessivamente adiados, ou por falta de verbas, ou mudança de Governo ou até má vontade” salienta.
O secretário de estado da Protecção Civil presidiu às cerimónias oficiais do aniversário e deixou a garantia que vai analisar a situação.
“Eu penso que há condições para podermos apoiar esta pretensão através do QREN” considera o Vasco Franco. “Nós temos um conjunto de regras estabelecidas numa portaria que até há pouco tempo impedia este quartel de poder ser ampliado porque ele tinha recebido apoios há menos tempo do que o prazo estabelecido para a concessão de novos apoios” explica o governante, acrescentando que “entretanto, houve uma alteração no sentido de flexibilizar essas situações, pois às vezes os apoios recebidos eram insignificantes, para pequenas obras, e isso não justificava que depois não se pudesse dar apoio para uma obra mais profunda”. Por isso “no quadro desta alteração, vamos analisar esta pretensão e acredito que se puder ser enquadrada será abrangida, com certeza”.
Vasco Franco acrescenta que a remodelação dos quartéis dos bombeiros do país é uma prioridade do ministério e o de Miranda do Douro não é excepção.
“A questão dos quartéis é uma prioridade nos últimos três anos. Em vários pontos do país estão em construção muitos quartéis, dezenas em ampliação e vais continuar a ser uma prioridade” garante. Em relação a Miranda “a única coisa que eu me comprometi foi verificar rapidamente é se há alguma objecção ao cumprimento das regras que estão estabelecidas”.
O presidente da Associação Humanitária dos Bombeiros de Miranda do Douro espera agora que o processo arranque o mais depressa possível.
“Esperemos que o secretário de estado seja coerente e dê início ao processo a partir do princípio do ano” afirma.
A cerimónia contou ainda com a apresentação de um livro que narra a história deste meio século de vida dos Bombeiros Voluntários de Miranda do Douro.


Fonte: Brigantia

sábado, 11 de dezembro de 2010

Abandonado projecto para socorro em túneis do Metro

Simulacro testou meios de emergência na nova Linha Laranja


                                                                   foto josé carmo/global imagens
               
                              Simulacro testou meios de emergência na nova Linha Laranja


A Metro do Porto abandonou o projecto de um veículo de emergência de tecnologia avançada, para usar em sinistros no interior de túneis. Ontem, no simulacro realizado no subterrâneo da Linha de Gondomar foi usado um carro sobre carris, mas empurrado à mão.
Em 2009, tinha ficado concluída a primeira fase do projecto do LEV (Light Emergency Vehicle), que estava a ser desenvolvido em parceria com o Instituto de Engenharia Mecânica e Gestão Industrial, com a colaboração dos Sapadores do Porto e da Protecção Civil.
Seria um veículo eléctrico, alimentado por baterias recarregáveis, que permitiria deslocar os bombeiros e respectivo equipamento de socorro sobre carris, podendo ser reconfigurado para o transporte de vítimas.
Fonte da Metro garantiu, ao JN, que "não chegou a haver protótipo do veículo". Revelou, contudo, que nas operações de socorro em túneis "passará a ser usado, nos primeiros meses de 2011, um veículo motorizado".
Ontem, de manhã, no simulacro realizado no túnel que passa por baixo da Circunvalação, as "vítimas" foram transportadas num carrinho sobre carris, mas ainda empurrado à mão.
A pouco menos de um mês da nova Linha Laranja (Porto/Gondomar) começar a funcionar, os "objectivos da operação que consistia em testar os meios de segurança foram plenamente alcançados", considerou a Empresa do Metro.
O JN apurou que houve algum atraso nos meios de socorro, mas a Metro desvalorizou os eventuais percalços: "Todos os meios funcionaram bem", respondeu a mesma fonte da empresa.
Já Alberto Costa, segundo comandante distrital da Autoridade Nacional da Protecção Civil, salientou o facto de ter sido dada resposta "em tempo útil", apesar de reconhecer ter havido alguns "constrangimentos".
No simulacro de acidente e incêndio numa composição do metro, entre as estações de Nau Vitória, no Porto, e de Levada, em Rio Tinto (Gondomar), constatou-se que o muito fumo dificultou o trabalho dos bombeiros.
No ano passado, as composições do metro tiveram 87 acidentes, a esmagadora maioria dos quais sem feridos. Nos túneis, designadamente em S. Bento, no Porto, os maiores problemas têm sido invasões pontuais do canal do metro por alguns automóveis.

 
Fonte:JN

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Bombeiro luta sozinho contra chamas e salva casal

Em Beja, sobretudo no seio dos bombeiros voluntários locais, Tiago Santos, de 19 anos, é visto como um herói. Não é para menos. Foi graças a ele que um casal escapou à morte, no dia 3, durante um incêndio, na sua habitação.



                                                                       foto teixeira correia/jn

As chamas foram combatidas praticamente só pelo jovem bombeiro. Quando os colegas chegaram para acudir, já o fogo estava praticamente extinto e os dois moradores a salvo.
Os factos contam-se em poucas palavras. Tiago, que assinou contrato com os Bombeiros Voluntários de Beja há cerca de um mês, havia chegado a casa, exausto, e meia hora após ter-se deitado ouviu gritos de socorro. Seriam 1.50 horas. Um casal de vizinhos tinha a casa a arder. Enquanto procurava serenar os ânimos do homem de 73 anos e da mulher de 39 anos, o bombeiro ligou para o quartel dos voluntários a pedir ajuda e rapidamente entrou na casa dos vizinhos, sem medir bem as consequências do seu acto, conforme agora admite, embora rejeitando sempre o rótulo de "herói".
"Entrei em casa, mas o fumo era tanto que tive que voltar a sair para respirar e procurar as pessoas", contou ao JN. Tiago Santos conseguiu arrastar o septuagenário para rua, quando este já tinha as mãos e a cara queimadas. De sequida, fez o mesmo com a mulher, que estava debaixo da cama, mas sem ferimentos. Depois, lutou, com todas as suas forças e coragem, até apagar as chamas. Sofreu uma pequena intoxicação. Nada de grave.


Fonte: JN


Bombeiro salva mulher de se afogar

Sem pensar no frio ou eventuais riscos, Salvador Pereira, voluntário nos bombeiros de Viatodos, em Barcelos, lançou-se, anteontem, às águas revoltas do rio Este para salvar uma mulher que lá tinha caído. Foi buscá-la já ao fundo e foram depois içados por uma corda.


                                                                 foto alexandra lopes/jn


O alerta para o socorro da senhora que tinha caído ao rio Este deu início a um novo episódio na vida do bombeiro voluntário: conseguiu salvar uma vida. E, no final do salvamento, o que sentiu?: "Frio, muito frio. A água estava mesmo gelada, mas o importante é termos conseguido salvar uma vida", frisou o voluntário.
"Saímos para o local, junto à Estrada Nacional 204, entre Louro e Viatodos e, quando lá chegámos, o único material que tínhamos era uma corda", conta Salvador. De imediato, o jovem de 26 anos atou-a à cinta e começou a descer em direcção à vítima.
"Mal entrei na água, a senhora não aguentou mais a força da água e afundou-se", contou. Aí, não houve tempo para pensar. "Lancei-me logo e fui buscá-la quase ao fundo", explica.
Enquanto descia pela corda, Salvador equacionava a melhor forma de alcançar a vítima. "Mas quando a vi afundar-se, não houve tempo para pensar mais. Atirei-me e tentei alcançá-la", adiantou. "Quando consegui agarrá-la, os colegas puxaram-nos através das cordas", explica, notando que inicialmente colocou a corda "apenas como uma medida de segurança", pensando que não necessitaria de ser puxado. "Afinal, a corda foi mais útil do que pensávamos", atira, constatando que a corrente estava tão forte que, se não a tivesse, não sabe se teria conseguido puxar a mulher.
Situação idêntica nunca tinha acontecido a Salvador, que é bombeiro em Viatodos há cerca de seis anos. "Já acorri a situações em piscinas, mas uma coisa destas no rio e ainda por cima com aquela corrente, nunca aconteceu", afirmou o voluntário. A mulher estava em hipotermia quando foi retirada da água teve de ser assistida.
A situação provocou muita curiosidade, pelo que, houve algum congestionamento no trânsito , pois as pessoas queriam tentar perceber o que acontecia.
Ainda recentemente, um outro elemento da corporação dos Bombeiros Voluntários de Viatodos salvou uma menina de quatro anos quando aquela caiu de um quarto andar. O homem estava na hora certa e no local certo quando a criança lhe caiu dos braços e, assim, saiu ilesa do acidente.


Fonte: JN


Bombeiros sentem pressão política no combate a fogos

Liga dos Bombeiros quer mais apoio logístico no reabastecimento de água e no descanso.

Os bombeiros sentem pressão dos políticos no combate a incêndios florestais, onde precisam de mais apoio logístico. As falhas são identificadas pela Liga dos Bombeiros. Mas as soluções propostas podem depender da despesa nos próximos orçamentos.






"Excesso de pressão de decisores políticos sobre decisores operacionais" é uma das debilidades apontadas no relatório da Liga dos Bombeiros Portugueses. O presidente, Duarte Caldeira, fala em "vulgarização da presença do decisor político" que "não faz sentido" em "momentos que devem ser de concentração".
Mas os autarcas têm o direito legal de estar junto ao combate, avança o secretário de Estado da Protecção Civil, Vasco Franco, e podem contribuir "de forma muito positiva", por exemplo, no apoio logístico.
Esta é outra falha encontrada. "A ideia do bombeiro-máquina, que não precisa de descansar e comer, deve ser completamente banida", porque compromete a sua segurança, defende Duarte Caldeira. Melhorar o reabastecimento de água é uma das sugestões do relatório.
A Liga propõe um plano de resolução das falhas, em três anos, com uma auditoria técnica no início de 2011. Assim, deveriam ser integradas medidas de resolução já no Orçamento do Estado de 2012, aponta o presidente.
Mas Vasco Franco afasta a possibilidade de agravamento da despesa orçamental nos próximos anos. "O desafio que temos todos é fazer mais e melhor com os mesmo recursos", afirma.
A necessidade de reequipamento das viaturas dos corpos de bombeiros é também notada. O secretário de Estado explica que é um problema que pode ser solucionado com fundos comunitários. "Conseguimos, através dos programas operacionais do QREN, que se abram candidaturas para o investimento de seis milhões de euros para reequipar viaturas", diz.
A formação de bombeiros é também criticada. Mas a Escola Nacional de Bombeiros "tem em marcha um ambicioso projecto de descentralização, com a criação de unidades de formação em todos os distritos", refere.
Entre Janeiro e Outubro de 2010, registaram-se 21 424 incêndios, menos que em 2009, mas que consumiram mais área florestal, num Verão quente e seco.
A floresta portuguesa continua a ter elevado risco, com espaços abandonados, sem a "adequada gestão e ordenamento e disseminada por meio milhão de pequenos proprietários", diz Duarte Caldeira, sugerindo "agregar pequenas parcelas de propriedade".


Fonte: JN

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Tornado fez 36 feridos e vários desalojados

O tornado que atingiu o concelho de Tomar provocou 36 feridos, 19 dos quais crianças, disse à agência Lusa fonte da coordenadora do dispositivo de socorro do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), Raquel Ramos.
Raquel Ramos esclareceu que todos os feridos foram transportados para o hospital de Tomar, tendo o INEM atendido cinco vítimas (três crianças e dois adultos) que apenas necessitavam de apoio psicológico e outras quatro que acabaram por ter alta no local.
Uma das crianças acabou por ser transferida para o hospital de Abrantes por necessidade de realização de tomografia axial computorizada.
«A maioria das pessoas já teve alta», ressalvou a fonte do INEM, acrescentando que «trata-se, sobretudo, de pequenas escoriações decorrentes da projecção de partes das estruturas das casas».
Segundo informação disponibilizada pelo posto de comando, sedeado nos Bombeiros Municipais, 87 bombeiros e cerca de 40 veículos das corporações de Tomar, Entroncamento, Vila Nova da Barquinha, Caxarias, Ourém, Torres Novas, Constância e Abrantes foram mobilizados.
A Força Especial de Bombeiros, sedeada no Sardoal, e os Sapadores Florestais de Tomar, também intervieram para apoiar as pessoas afectadas pelo mau tempo, assim como 18 elementos com oito viaturas do INEM, a quem coube também, além do socorro, prestar o apoio psicológico.
Igualmente técnicas da Segurança Social estão em Tomar para dar apoio psicológico, assim como para fazer o levantamento de eventuais necessidades de alojamento.
«Neste momento, há a indicação de que pelo menos um senhor, que vivia sozinho na freguesia de São João Batista, na cidade, necessita de alojamento para esta noite, estando a ser providenciada a sua estada numa pensão», referiu uma das técnicas.
Duas pensões da cidade de Tomar estão de prevenção para acolher mais desalojados, assim como o Regimento de Infantaria n. 15.
O presidente da Câmara Municipal de Tomar, Corvelo de Sousa, adiantou que dezenas de funcionários da autarquia estão mobilizados para apoiar as pessoas, assim como para proceder à limpeza das vias que ficaram obstruídas pelos destroços e aferir as condições de segurança das habitações.
Corvelo de Sousa explicou que os efeitos do tornado, segundo o Instituto de Meteorologia, não se sentiram apenas na cidade, mas também nos arredores. «A gravidade da situação foi diferente consoante os lugares», adiantou, explicando que «há um número ainda não determinado, mas elevado, de casas destruídas total ou parcialmente quer na cidade quer na zona rural», cujo levantamento «está em curso».
Por outro lado, o autarca, que activou o plano de emergência municipal, referiu que há desalojados, embora não saiba quantificar quantos, tanto mais porque quase a totalidade das pessoas vai ficar em casa de familiares. O Governo Civil de Santarém estima mais de 200 casas danificadas.
Segundo Carlos Catalão, chefe de gabinete da governadora civil de Santarém, Sónia Safona, a região tem sido afectada por fenómenos meteorológicos semelhantes ao que atingiu Tomar e Ferreira do Zêzere. No entanto, a ocorrência hoje registada foi «a mais violenta» desde pelo menos 2006.
«Isto tem a ver com as alterações climáticas e, ano após ano, tem vindo a atingir cada vez mais violência», acrescentou. Desde 2006, «houve todos os anos pelo menos uma ocorrência deste género», segundo Carlos Catalão.
O chefe de gabinete recordou que no ano passado uma central fotovoltaica, na freguesia de Areias, concelho de Ferreira do Zêzere, foi destruída por um temporal.
Em 2008, um fenómeno com características semelhantes atingiu a povoação de Amiais (Santarém), Alcanena e Torres Novas, adiantou Carlos Catalão.

Fonte: Diario IOL

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Trabalhador morre após descarga eléctrica

Um jovem de 21 anos morreu hoje, segunda-feira, após ter sofrido uma descarga eléctrica seguida de queda quando procedia à montagem de uma linha de média tensão num poste junto a Argoselo (Vimioso), disse o comandante dos bombeiros locais.
João Afonso afirmou que o acidente se deu após uma descarga elétrica, seguida de uma queda.
Tudo aconteceu por volta das 11.30 horas quando o electricista procedia à montagem de uma das linhas de média tensão que vão fazer a ligação ente Argoselo e Coelhoso.
As equipas de socorro depararam-se com alguma dificuldades para chegar ao local do acidente, tendo mesmo de recorrer a viaturas de todo o terreno, avançou o comandante.
"Quando chegámos ao local, já se encontrava em paragem cardio-respiratória e nada pôde ser feito para lhe salvar a vida", acrescentou o responsável.
O helicóptero do Instituto Nacional de Emergência Médica estacionado em Macedo de Cavaleiros ainda foi accionado mas não chegou a ser necessária a sua utilização.
O electricista residente na Figueira da Foz, estava ao serviço da Bragalux, uma empresa subempreiteira da REN.
No espaço de um mês é já a quarta vítima de acidentes a envolver electricistas de media e alta tensão, sendo que dois dos acidentes se tornaram fatais.
A autoridade para as Condições de Trabalho já tomou conta ocorrência.


Fonte: JN

domingo, 5 de dezembro de 2010

Explosão num carro obriga a fuga pelas varandas





Muita aflição em evacução de três prédios em S. Mamede de Infesta, Matosinhos


Uma explosão num carro, seguida de incêndio que danificou mais dois veículos, causou, hoje, sábado, cerca das 20 horas, momentos de aflição em três prédios em S. Mamede de Infesta, Matosinhos. Mais de 50 pessoas foram evacuadas, algumas pelas varandas.
João Silva chegou ontem a casa, com o filho Hélder, de 13 anos, às 19.45 horas. O elevador, porém, em vez de transportá-los para o quarto andar, levou-os à garagem comum da urbanização na Travessa Marechal Gomes da Costa. "Mal a porta abriu apanhei com uma nuvem de fumo. Não conseguia ver nada. Corri a buscar um extintor e tentei apagar o fogo que saía por um motor de um carro", contou, ao JN, João, morador que também é bombeiro.
"Como o extintor acabou, ainda procurei um segundo. Não consegui fazer mais nada. Havia uma carga térmica muito grande. Tive de sair", acrescentou, afirmando que a sua grande preocupação era o filho, que é candidato a bombeiro, que sempre ficou a seu lado. E foi Hélder quem avisou a corporação de S. Mamede de Infesta, cujo quartel fica na vizinhança. O jovem teve, mais tarde, de receber tratamento devido à inalação de fumo.

Resgatados tranquilamente

Lentamente, os cerca de 50 moradores dos três prédios atingidos pelo fumo que subiu da garagem, na cave, até ao quarto andar, foram dando conta do sucedido pelo cheiro intenso a queimado que lhes chegava pelas frinchas das portas. Alguns, decidiram sair logo de casa procurando as entradas principais. Outros ficaram retidos. Foi por uma escada Magirus que acabaram evacuados por varandas, num resgate que, sendo de aflição, correu tranquilamente.
Filomena Azevedo foi das últimas a descer pela escada. Fê-lo em sobressalto: procurava, enquanto descia, os dois filhos que já tinham sido resgatados, a Margarida, de nove meses, e o Gonçalo, de quatro anos. Encontrou-os na rua, com familiares, juntamente com o marido que entretanto tinha vindo a correr do trabalho. "Foi um susto muito grande, sobretudo porque me vi sozinha com as crianças pequenas e não sabia de onde vinha o cheiro, que era muito esquisito", contou.
"Vivemos neste prédio há 15 dias. Ainda estamos a receber móveis. E acontece isto", lamentava Rui Pereira, marido de Filomena, ambos do Marco de Canaveses.
Paulo Campos, que foi retirado de casa pela escada, tal qual a mulher grávida de oito meses (que precisou de assistência da equipa do INEM), o filho de cinco anos e a sogra, temia que um dos dois carros danificados pelo fogo fosse o dele. "Ouvi um barulho muito forte. Depois, seguiu-se uma explosão e começamos a ver muito fumo no prédio. Como abri a porta, apanhei com ele dentro de casa. Fugimos para a varanda ", relatou.
O carro que explodiu, aparentemente devido a problemas com o motor, era movido a gasolina e, ontem, horas depois do acidente ainda não se sabia sequer de marca era nem a quem pertencia.

"Grande pandemónio"

"O maior risco neste caso foi o facto do fumo ter invadido os prédios. Foi um grande pandemónio porque estamos a falar de três prédios afectados por uma garagem comum, local de explosão e incêndio", afirmou, ao JN, o comandante da corporação de Leça de Balio, Rogério Seabra.
João Silva, um dos heróis desta história que acabou com o regresso dos moradores aos prédios cerca das 22.30 horas, tem outro episódio para recordar: o facto de ter conseguido salvar o gato, Jeco, subindo uma escada de gancho.
Para além dos bombeiros de S. Mamede de Infesta e de Leça do Balio, estiveram no socorro os de Areosa e os Portuenses. Elementos da Protecção Civil e da PSP também participaram na operação.


Fonte: JN

Resgatados dois homens retidos pela neve num parque eólico

Dois técnicos da empresa de manutenção do parque eólico do Cabeço Grande, em Sabuzedo, Montalegre, ficaram hoje, sábado, presos no parque devido à queda de neve, mas "já foram resgatados", disse o comandante dos Bombeiros de Montalegre, David Teixeira.
De acordo com o responsável dos bombeiros, citado pela Lusa, os dois técnicos, de 30 e 45 anos, estariam a fazer a reparação de uma torre no parque eólico do Cabeço Grande quando a neve começou a cair com alguma intensidade impedindo os homens de sair do parque.
Após várias tentativas de resgate pelos Bombeiros Voluntários de Montalegre, mas sem sucesso "devido à intensa formação de neve", foi accionado o helicóptero da protecção civil de Santa Comba Dão, que retirou os homens do local.
Por isso, neste momento, os dois técnicos que ficaram presos no parque durante toda a tarde de hoje "foram agora retirados em segurança", disse o comandante dos Bombeiros de Montalegre.


Fonte: JN

sábado, 4 de dezembro de 2010

Ministro da Administração Interna entregou três das 95 viaturas a bombeiros

Estas viaturas operacionais de proteção e socorro representam um investimento de cerca de 12 milhões de euros.

O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, entregou hoje três das 95 viaturas operacionais de proteção e socorro a distribuir pelos bombeiros e cujo investimento ronda os 12 milhões de euros.
As três primeiras viaturas foram entregues aos Bombeiros Voluntários de Alcácer do Sal, Campo de Ourique e Sabugal. Estava previsto ser entregue outra viatura aos Bombeiros de Vila Nova de Milfontes, mas um problema mecânico impediu.
Segundo Rui Pereira, o concurso de aquisição de 78 das 95 viaturas já está concluído, prevendo-se que a sua entrega seja faseada nos próximos meses, a uma média de três/quatro de três em três semanas.
Para as restantes 17 o concurso ainda está a decorrer.
No total, para a aquisição das 95 viaturas, o investimento é de 12 milhões de euros. As verbas vêm do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e dos vários governos civis, adiantou Rui Pereira no final da cerimónia, que decorreu na sede da Autoridade Nacional de Proteção Civil, em Oeiras, distrito de Lisboa.
A juntar à distribuição pelos bombeiros portugueses deste tipo veículos de proteção e socorro, o ministro garantiu que também vai ser renovado o parque de viaturas das corporações de bombeiros.
Vamos procurar renovar o parque de viaturas das cooperações e bombeiros recorrendo ao QREN, mas ao nível de programas regionais, num investimento de 26 milhões de euros, disse.
Segundo o ministro, é um esforço notável que permitirá modernizar o sector estratégico da Proteção Civil, porque a segurança também se joga na prevenção de catástrofes e acidentes.
Numa altura em que o frio e a neve têm provocado alguns constrangimentos em várias estradas portuguesas, nomeadamente na zona da Serra da Estrela, Rui Pereira garantiu que o Governo está atento à situação.
Estamos também atentos e dentro em breve iremos distribuir para as forças de segurança correntes de neve para os veículos e estamos a tratar, no âmbito de candidaturas regionais, de adquirir um veículo da limpeza da neve moderno e funcional, referiu.
A candidatura para a compra deste veículo está a ser preparada pelo Governo Civil da Guarda.


Fonte: Agência Lusa

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Encerradas 17 estradas do norte e centro do país devido à neve


Pelo menos 17 estradas do norte e centro do país estão cortadas ao trânsito devido à queda de neve e gelo acumulado durante a noite de hoje, segundo o último balanço realizado pela GNR.
"Estamos a fazer actualizações quase ao minuto e, neste momento, quase 20 vias estão interditas à circulação", revelou fonte da GNR, adiantando que os distritos mais afectados são Viseu, Vila Real, Guarda e Porto, que estão sob aviso amarelo, o menos grave, devido à queda de neve e continuação de baixas temperaturas, de acordo com as previsões do Instituto de Meteorologia (IM).
Às 9 horas de hoje, segundo a GNR, encontravam-se afectadas no distrito de Viseu a Estrada Nacional (EN) 321, cuja interdição "está ainda sujeita a confirmação", e as Estradas Municipais (EM) 1231 (entre Coelheira e São Macário), 1053, 1168 (entre a Várzea da Serra e Bigorne), 1228 (entre Landeira e Coelheira) e 514.
No Gerês, as estradas interditas são a EN 308 (ao quilómetro 7, nas Caldas do Gerês) e as duas vias que acedem ao ponto mais alto da Serra da Estrela, a Torre: a EN 338 e a EN 339.
No Marão, no distrito do Porto, duas Estradas Municipais encontram-se actualmente cortadas: a EN 15 (ao quilómetro 78) e a EN 101, no troço entre Carrapatelo e Baião.
Por fim, em Vila Real "estão contabilizadas seis estradas nas quais é impossível circular", declarou fonte a GNR, enumerando a EN 206 (em Balugas), EN 212 (em Guilhado), EN 311 (Venda Nova), EN 101 (no troço que liga Carrapatelo a Amarante), EN 15 (entre Boavista e Alto do Espinho) e a Estrada Regional (ER) 311 (na zona de Cerdedo).
Na quarta feira ao final do dia, 14 estradas estavam cortadas no país devido à neve, com o distrito de Vila Real a ser o mais afectado.
De acordo com as previsões meteorológicas para hoje, o frio e a queda de neve continuarão a afectar o norte e centro de Portugal continental, com 13 distritos sob aviso amarelo, o que significa situações de risco para a realização de determinadas actividades dependentes das condições meteorológicas.
Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Aveiro, Viseu, Guarda, Coimbra, Leiria, Castelo Branco e Portalegre são os distritos com aviso amarelo e para os quais se prevê queda de neve, segundo as previsões do IM.

Fonte: JN

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Ministro admite falha no combate aos incêndios

O ministro da Administração Interna, Rui Pereira, admitiu que o dispositivo de combate a incêndios teve dificuldade em actuar nos dias de Verão em que ocorreram mais de 350 fogos.
Numa audição parlamentar conjunta das Comissões de Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas e de Poder Local, Ambiente e Ordenamento do Território, Rui Pereira afirmou que o sistema está preparado para responder satisfatoriamente até 250 fogos por dia.
«Este ano provou-se que o sistema está preparado para ir até 350 ignições por dia, mas foi aí que as dificuldades começaram, com dias em que ocorreram 400 e mesmo 500 ignições», afirmou o ministro.
Rui Pereira considerou que, «mesmo assim, a resposta [do dispositivo de combate a incêndios florestais] foi muitíssimo competente».
Questionado pelos deputados da oposição sobre a grande quantidade de reacendimentos que ocorreram, Rui Pereira justificou que «quando há muitas ocorrências ao mesmo tempo não é possível dar tanta atenção» aos fogos em rescaldo para evitar que se reacendam.
A lição a tirar da época de incêndios é a importância de «manter a disponibilidade de meios humanos e materiais», afirmou, argumentando que «não houve qualquer exagero no investimento neste sector».
Na audição, pedida pelo PCP e Bloco de Esquerda, o deputado comunista Agostinho Lopes questionou os «recursos escassos» do dispositivo de combate aos fogos e afirmou que «o principal problema é a falta de investimento na prevenção estrutural».
Rita Calvário, do Bloco de Esquerda, questionou também que a fatia maior do investimento vá para o combate e não para a prevenção e apontou «falhas de coordenação do dispositivo, a nível local e municipal».
Pelo PSD, Pedro Batista Santos afirmou que «ainda há muito por fazer» e criticou a queda de «3,7 por cento» das verbas previstas no Orçamento do Estado para 2011 para a Autoridade Nacional de Protecção Civil.
Rui Pereira reconheceu que a Autoridade Nacional de Protecção Civil e a existência de um comando único de todas as forças de combate a incêndios é uma estrutura «muito complexa», mas afirmou que «funcionaram bem».
Quanto à descida de verbas destinadas à Autoridade Nacional de Protecção Civil, Rui Pereira afirmou que se trata de uma redução «no orçamento inicial mas não no orçamento executado», para o que se conta também com os fundos europeus do Quadro de Referência Estratégico Nacional.
Abel Baptista, do CDS-PP, afirmou que o dispositivo «não está oleado» e indicou que existem «falhas graves na estrutura», criticando ainda que a entrega de 78 viaturas de bombeiros às corporações do país só vá começar esta semana, quando os concursos foram lançados há três anos.
O ministro justificou a demora na entrega das viaturas de bombeiros com os «trâmites legais» do concurso que foi preciso seguir.
Rui Pereira afirmou ainda a necessidade de apostar mais na prevenção estrutural e no estímulo ao voluntariado nas corporações de bombeiros.


Fonte: TVI 24

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Alunos sem transporte em Bragança e Vila Real



As escolas do concelho da Guarda mantêm-se hoje, terça-feira, fechadas devido à queda de neve. Nos distritos de Bragança e Vila Real há aulas, mas esta manhã não havia condições para fazer o transporte dos alunos que residem nas aldeias.
Segundo Eduardo Matas, coordenador do Serviço Municipal de Protecção Civil da Guarda, foi decidido manter as aulas suspensas esta terça-feira porque "de momento ainda não se encontram reunidas todas as condições de segurança, nomeadamente as relacionadas com a circulação rodoviária".
Na cidade deixou de nevar pela 1 hora da madrugada e os acessos "estavam todos limpos", mas "às 5 horas recomeçou a nevar".
A Protecção Civil refere que, de momento, "não há restrições rodoviárias", mas alertou que "no centro da cidade é obrigatório o uso de correntes" nos pneus dos carros.
"As ruas mais íngremes continuam fechadas ao trânsito", indicou Eduardo Matas, que aconselha os habitantes a prevenirem-se face à previsão de continuação da queda de neve. "As pessoas devem evitar sair de casa e quando o fizerem, que tragam calçado e roupa apropriados", disse.

Alunos das aldeias sem transporte

Os estudantes do meio rural de Bragança não têm transporte público para a cidade esta manhã devido à neve, embora as escolas estejam abertas, disse à Agência Lusa o presidente da Câmara, Jorge Nunes.
"Ainda não saiu nenhum autocarro para o meio rural, enquanto não houver condições de segurança para fazer o transporte dos alunos", disse o autarca, perto das 8 horas.
Jorge Nunes garantiu ainda que, apesar de continuar a nevar, "se circula dentro da cidade, embora haja um ponto ou outro mais crítico".
O mesmo cenário repete-se em relação ao transporte escolar dos alunos das zonais mais rurais e altas do concelho de Vila Real.
Álvaro Ribeiro, responsável pela protecção civil municipal de Vila Real, disse à Lusa que, por "precaução" devido à neve e gelo acumulados nas estradas, foi decidido que o transporte escolar não vai circular esta manhã nas zonas da Campeã, Lamas de Olo, Samardã e São Tomé do Castelo.
No entanto, acrescentou, se a tendência for um desagravamento das condições meteorológicas, os alunos irão às aulas ao início da tarde.
A protecção civil municipal possui três veículos a fazer a distribuição de sal pelas estradas do concelho, dois tractores, uma máquina de rastos e duas viaturas quatro por quatro para dar apoio aos automobilistas.


Fonte: JN

Dívidas a bombeiros cancelam aniversário

Este ano, os bombeiros de Vidago não vão festejar o aniversário da corporação. É a primeira vez que tal acontece em 43 anos.
O motivo é simples: falta de dinheiro em tempo de crise.
"Isto está mau. Os hospitais não nos pagam, o INEM, igual, as instituições não nos dão os subsídios e, assim, é impossível termos alguma folga financeira para fazer festas."
A justificação é do comandante dos Bombeiros Voluntários de Vidago, Fernando Cadete, para explicar o facto de no próximo dia 8 de Dezembro não se cumprir o tradicional dia de festejos.
Desde 1967 que esta é a maior e pior crise financeira, de sempre, que estamos a atravessar", admitiu ao Correio da Manhã o comandante dos Voluntários de Vidago. "É com alguma tristeza que esta associação se vê impedida de comemorar o seu aniversário.
Todos os anos realizávamos uma festa comemorativa, que incluía um almoço pago pela direcção", desabafou o responsável pela liderança de 102 bombeiros.
"O dinheiro que deveria ser gasto no almoço da festa será usado para comprar bens essenciais, prioritários e indispensáveis para o funcionamento do corpo de bombeiros", garantiu ainda Fernando Cadete, confrontado com o cenário das dificuldades financeiras da associação.
"Em tempo de crise, é preciso esquecer as festas e dar segurança e condições a quem trabalha nos bombeiros."
O presidente da Federação Distrital dos Bombeiros de Vila Real, Alfredo Almeida, embora reconhecendo que é um acto de gestão interna, "lamenta que os bombeiros sejam vítimas da falta de pagamentos de vários organismos estatais". A situação é, no entanto, extensiva a outras associações do distrito de Vila Real.
Ainda assim, Alfredo Almeida assegura: "Continuo a acreditar que o INEM cumpra o que prometeu e pague aos bombeiros até final deste mês", que termina hoje. Até ontem, as dívidas não tinham sido pagas.


Fonte: CM

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Queda de neve obriga a precauções redobradas nas estradas de Vila Real



A neve que está hoje a cair com alguma intensidade em alguns pontos do distrito de Vila Real obriga a precauções redobradas na circulação pelas principais estradas do distrito, disse à Lusa fonte da Protecção Civil.
Durante a manhã a neve começou a pintar de branco alguns dos pontos mais altos do distrito de Vila Real, como a Serra do Marão, Alvão ou Padrela, atingindo ainda a capital de distrito, onde neva com alguma intensidade.
O comandante distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Vila Real, Carlos Silva, disse à Agência Lusa que as estradas estão todas transitáveis, mas aconselhou os automobilistas a cuidados redobrados na circulação pelas principais estradas deste território, como o Itinerário Principal 4 (IP4) e as autoestradas 24 e 07.


Fonte: Agência Lusa

Um parto feito com ajuda do telemóvel


Um telemóvel em alta-voz serviu de médico obstetra enquanto três bombeiros de Arrifana (Feira) efectuaram o seu primeiro parto improvisado no sofá de uma sala, na madrugada de ontem. A mãe, de 25 anos, e a bebé (ainda sem nome) estão bem de saúde.
Joana Correia, de 23 anos, Ana Cardoso, de 21, e Nuno Leça, de 39, foram os três bombeiros que, na madrugada de ontem, efectuaram o parto. E, apesar de estreantes, valeram-se dos conhecimentos teóricos e de uma ajuda especializada, que chegou por telemóvel.
"Quando chegámos a casa [também em Arrifana] já não havia tempo para transportar a mãe ao hospital. As águas rebentaram e tivemos que fazer o parto ali mesmo", recordaram.
Apesar de tecnicamente preparados para efectuar o parto, decidiram jogar pelo seguro. De imediato foi accionada para o local uma equipa médica foi feita uma ligação com o Centro Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Aveiro, onde um profissional especializado foi validando os passos e dando conselhos.
"Foi tudo muito rápido. Já nem me lembro se coloquei o telemóvel em alta-voz sobre a barriga da mãe ou na mesa da sala. Mas deram-nos indicações que fomos efectuando", contou Joana Correia.
"Começámos por ver a cabeça e, quando a senhora fez força, a bebé nasceu de imediato. Foi tudo muito rápido", referiu.
Na sala, o marido e uma outra filha do casal assistiam parto, obrigando Ana Cardoso a intervir. "O pai estava muito ansioso e tive que lhe pedir, também, para tirar a criança daquele local", lembrou.
Já depois do cordão umbilical cortado, a voz que chegava pelo telemóvel aconselhou as bombeiras a pegarem na criança. "A noite estava tão fria que tínhamos as mãos geladas e estávamos com receio. Quando lhe tocámos a bebé chorou, mas foi uma alegria, porque era sinal de que estava tudo bem", congratularam-se.
Mas o trabalho prosseguiu. O transporte da mãe do andar superior onde se encontrava acabou por revelar-se uma tarefa árdua, dado o pouco espaço das escadas. Juntaram-se as preocupações com uma noite muito fria. Quando a equipa médica chegou, só foi preciso levar a mãe e a bebé para o Hospital S. Sebastião.


Fonte: JN

domingo, 28 de novembro de 2010

Bombeiros recebem formação para reanimar pessoas com choques eléctricos



As 30 corporações de bombeiros mais solicitadas em Portugal estão a receber formação do INEM para reanimar pessoas com choques eléctricos.

Em Janeiro recebem os desfibrilhadores.

Esta é a primeira fase de um programa que visa dotar as ambulâncias de Desfibrilhadores Automáticos Externos (DAE) e dar formação a cerca de 250 bombeiros para que saibam utilizar o aparelho de forma segura e eficaz, explicou Miguel Soares de Oliveira, presidente do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica), acrescentando que esta estará concluída no final de Dezembro.
Isto significa que não só as ambulâncias do INEM afectas aos bombeiros terão um DAE, como haverá em cada corporação pelo menos seis operacionais preparados para usá-los, de forma a cobrir as 24 horas do dia.
O programa implica ainda a instalação de um dispositivo electrónico que grava e monitoriza todos os procedimentos, dando assim cumprimento à legislação, que prevê o acompanhamento por parte de um médico, disse Miguel Soares de Oliveira, explicando que seria difícil que cada corporação tivesse um médico.


Fonte: Público

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Neve pode chegar mais cedo este ano ao Nordeste Transmontano

A partir de hoje, o Nordeste Transmontano vai ser afectado por uma vaga de frio, que se deve manter até ao início da próxima semana. Mas Dionísio Gonçalves, climatologista no Instituto Politécnico de Bragança, estranha que esta frente fria apareça tão cedo.
“Não é muito normal haver vagas de frio tão precoces. Mas vão acontecendo. Lembro-me de há três anos ter havido uma vaga de frio no mês de Novembro que destruiu as oliveiras da Terra Quente”, recorda.
Já esta madrugada registaram-se cinco graus negativos, em Bragança.
Segundo este especialista, as baixas temperaturas que se vão sentir poderão formar geada e, até, provocar a queda de neve.
“O que se prevê é a descida de temperatura, arrefecimento nocturno, geadas e queda de neve”, sublinha. “A Escandinávia está muito fria e essas massas de ar deslocam-se para sul e estacionam na Península Ibérica. É de esperar, principalmente nas zonas do interior, um arrefecimento.”
Por isso, Dionísio Gonçalves alerta para alguns perigos.
“Os cuidados normais, sobretudo com as braseiras. As pessoas idosas muitas vezes esquecem-se de as desligar. E manter uma boa ventilação desses espaços. E também cuidados redobrados na estrada, sobretudo em locais com mais sombra onde se forma muito gelo.”
As previsões apontam para temperaturas máximas mais baixas pelo menos 4 a 5º C em relação à média para esta altura do ano. O que dará origem a queda de neve no interior, a cotas médias baixas e em locais que habitualmente estão abrigados da neve.

Fonte: Brigantia